Dúvidas

Deficiência Auditiva na Infância

Fatores de Risco

  • Bebês prematuros (baixo peso, APGAR baixo)
  • Medicamentos ototóxicos
  • Procedimentos utilizados em UTI, como ventilação mecânica
  • Doenças maternas (rubéola, sífilis)
  • Citomegalovirus, Hiperbilirrubinemia
  • Consanguinidade

Como identificar?

  • Fique atento se a criança percebe sons familiares, por exemplo, reage a voz da mãe; se a criança se assusta com sons altos, como batida de porta, latido de cachorro, buzina de automóvel
  • Fique atenta se a criança ao assistir TV aumenta muito o volume e fica muito próxima da TV; ou ainda, se não demonstra atenção e interesse nenhum pela TV
  • Observe se a criança apresenta dificuldades na fala
  • Observe se a criança apresenta dificuldades no aprendizado na escola

Como diagnosticar?

  • Existem vários exames que são realizados de acordo com a faixa etária da criança. Exames objetivos e subjetivos, não invasivo e indolor.
  • Exames objetivos:
    • Emissão Otoacústica (teste da orelhinha, realizado até 28 dias após o nascimento)
    • Emissão Otoacústica (transientes e por produto de distorção)
    • Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (PEATE, ou BERA)
    • Potencial Evocado Auditivo de Estado Estável (PEAEE)
  • Exames subjetivos:
    • Audiometria com Reforço Visual (VRA)
    • Audiometria Condicionada Lúdica
    • Avaliação Auditiva Comportamental
    • Audiometria Tonal (Tonal e Vocal)
    • Imitanciometria
  • O que fazer?
  • Inicialmente a criança deve consultar um Otorrinolaringologista que realizará a avaliação clinica e solicitará os exames necessários
  • Os exames devem ser realizados por uma Fonoaudióloga especialista em Audição
  • Caso seja confirmado, o diagnóstico da deficiência auditiva poderá ser indicado os seguintes procedimentos:
    • Encaminhamento para o Otorrinolaringologista
    • Adaptação de Próteses Auditivas
    • Terapia Fonoaudiológica

È sempre muito difícil receber o diagnóstico que seu filho (a) tem uma deficiência auditiva, pois há um estigma muito grande, classificando a criança como SURDA. Na verdade é uma deficiência assim como a visual que normalmente são adaptados óculos para auxiliar na visão. Já na deficiência auditiva quando possível são indicados o uso de próteses auditivas. O importante é diagnosticar o mais precocemente possível, pois a perda da audição pode causar prejuízos na aquisição e desenvolvimento da fala e linguagem oral da criança